Alguém provavelmente um dia chegou em você e perguntou: Quem é você?

Na maioria das vezes a gente fica meio que sem uma resposta concreta, né não? Ou, a gente responde: A eu sou isso, pois eu me formei nisso e trabalho com isso...
- Todo mundo já fez isso e muita gente faz isso até hoje. 

Eu não sou o 'Senhor das Respostas', mas faz mais ou menos 5 anos e meio que eu entendi um pouco mais de quem sou eu e porque eu sou o que sou. Confesso que sempre soube o que eu iria fazer da minha vida. Desde os 10 anos de idade eu ja tinha uma câmera fotográfica na mão (roubava do meu pai), amava fotografar meus irmãos e coisas aleatórias. Isso quando eu não abria a câmera com filme dentro e queimava tudo aquele filme que o Pai tinha fotografado a família, o aniversário, ou as coisas bestas que a gente fazia. - E mesmo sabendo o que eu iria fazer da vida, eu sempre entendi que eu não sou apenas o que eu fazia/faço, eu acredito que existia algo maior no SER.

Todos nós temos perguntas e clamamos por respostas diariamente. Principalmente sobre as respostas da nossa própria vida, certo?
- Durante anos tive inúmeras respostas sobre quem eu sou e quem devo ser... Mas, existem algumas grandes respostas que são totalmente responsáveis por quem eu sou hoje. E a primeira grande resposta que me marcou de verdade, foi quando eu sai da casa dos meus pais para arriscar a vida loucamente na cidade grande em cima das coisas que eu amo/acredito e tenho como propósito de vida. Naquele dia, eu entendi que eu serei pra sempre filho, independente do que eu possa fazer.

Manhã de surf em Guaratuba/Pr, cidade onde morei durante 5 anos com meus pais. Na minha mão uma das minhas primeiras câmeras fotográficas que me foi dada por um grande amigo. (2011)

Manhã de surf em Guaratuba/Pr, cidade onde morei durante 5 anos com meus pais. Na minha mão uma das minhas primeiras câmeras fotográficas que me foi dada por um grande amigo. (2011)

A segunda grande resposta após sair da casa dos meus pais, veio quando eu casei com uma louca que acreditou em todos os meus sonhos, a mulher mais corajosa do mundo, a minha melhor amiga, Priscila Nightingale. Aprendi que amar é renunciar a si mesmo todos o dias. 

CASÓRIO FRANZEN (2013)

CASÓRIO FRANZEN (2013)

Minha terceira e devastadora resposta, chegou quando minha filha, Emma Franzen, nasceu. No meio de tanto caos e desespero, eu entendi que eu tinha feito uma grande loucura, com apenas 22 anos de idade e 1 ano e meio de casado eu confesso que entendi o que é o amor, e tive ainda mais perguntas não respondidas (hehe). Foi então que a total inesperada e não planejada quarta resposta chegou... Meu segundo filho, Mark Franzen, nasceu e mesmo na maior crise financeira das nossas vidas, eu entendi o que é a graça e o favor de Deus. Viver pela fé? Hoje sabemos bem o que é (hehehe).

Mark e Emma em casa. (2017)

Acredito que essas são as respostas fundamentais da minha vida. Elas podem definir muito bem quem eu sou e podem definir muito bem meus trabalhos e projetos. Afinal, foi através da Priscila e das crianças que eu encontrei a razão pela qual vale a pena criar filmes e fotos que podem mudar o mundo, borrando as linhas das minhas produções com muita autenticidade, a ponto de explorar histórias reais e uma fotografia sem regras. Atualmente trabalho com projetos experimentais, em busca de criar uma nova forma de ver e sentir, expondo meus pensamentos, histórias e todos os meus sonhos por meio das palavras e imagens. Tudo isso, ficando bem pertinho das crianças e da Pri. Foi neles, mais precisamente no caos que eles proporcionam, que eu encontrei minha fonte de criatividade. 

E agora para ser bem sincero com todo mundo... Eu realmente não sei quem eu sou, só sei que eu sou um milhão de acontecimentos reais e imaginários e terei inúmeras respostas durante toda a minha vida e todas elas vão me moldar. Portanto, eu nunca vou conseguir me definir, ou apenas explicar quem eu sou. 

Hoje, eu só posso dizer que sou as três pessoas da foto abaixo!

quem-sou-eu-franzen-ricardo-franzen-love-freedom-madness-lovefreedommadness-fotografo-photography-canada-brasil-curitiba-1.jpg

Eu sou apenas uma boa lembrança. Vivo através da fotografia e do filme, para transformar os acontecimentos reais em vida eterna. Assim toda vez que alguém olhar para as milhares de fotos, filmes e documentários que eu produzi durante a vida, eles vão lembrar de mim com muito amor, liberdade e loucura. Esse é o meu ser.

Eu sou apenas uma boa lembrança do amor, da liberdade e da loucura. 
Ricardo Franzen