FARM DAY, FARM LIFE

Lembro bem dos 3 anos que morei na roça. Tinha acabo de completar 12 anos e a minha vida era andar de skate. Acordava pra andar de skate, ia pra escola e voltava pra casa pra andar de skate... Foi então, que meu pai decidiu largar mão da cidade grande e assim partimos todos juntos para uma cidadezinha com menos de 3k habitantes, sem nenhum asfalto. Estrada de chão por toda parte e paralelepípedos no meio da praça central. Quem já morou ou ainda mora no interior, sabe do que eu to falando. :)

Me recordo que fiquei furioso ao saber que a gente iria se mudar, confesso que eu queria mesmo era morrer, afinal eu era uma porra de uma criança/adolescente chato que passava o dia na rua andando de skate, com vários nadas pra fazer.

O tempo passou e hoje, posso garantir que foram os melhores 3 anos da minha infância/adolescência. Foi o tempo em que eu pude viver como um bicho do mato de verdade, largado na rua, quase sem hora pra voltar. Bicicleta pra tudo (era o meio de transporte de todos que moravam lá). Na mesma época, aprendi a dirigir uma Caravan 6cc que meu pai tinha. Dias fodas, que tenho plena certeza que são responsáveis por quem eu sou hoje. E aos meus pais, sou grato por aquela decisão maluco em um momento tão difícil que vivíamos. 

Assim como eu naquela época, todas as crianças do mundo, precisam estar em constante contato com a natureza, com o mato, cá roça. Pé no chão, no meio do banhado, pisando nos formigueiros todos e chorando pra Mami. Beber água dos rios, correr atrás das galinhas, dos cachorros e de quem estiver por perto. Esse contato não pode acontecer apenas nos finais de semana quando os pais vão para um parque da cidade, cheio de proibições e regulamentos, ou somente quando vão viajar. O contato tem que ser diário. Esse foi um dos grandes motivos pelo qual escolhemos a escola das crianças e também de morarmos em uma casa/sobradinho. Na escola das crianças, tem mais mato que sala de aula e elas amam. Aqui em casa, ninguém coloca tênis pra brincar na rua, nem quando vão andar de skate (meu pai sempre fica louco comigo, hehehe). E mesmo a gente já estar vivendo dessa forma, mais orgânica, eu ainda sinto falta de morar no meio do mato, de ter no mínimo uma casinha la no meio do nada, cheia de cachorros, galinhas, umas vacas pra ter leite quentinho pela manhã e uma Ranger 94 (4x4) para explorar tudo. As crianças não querem tablet, nem mesmo querem assistir aquele desenho chato da patrulha canina, nem tão pouco esses super brinquedos caros que ajudam no crescimento e desenvolvimento deles. A gente que coloca essas coisas na vida das crianças para que possamos ter aquele momento de sossego no dia. Falo isso com propriedade, pois já fiz isso várias vezes. :/

O que ajuda no desenvolvido é ter contato com seres humanos diferentes de você, correr descalço e esfolar o dedão no chão, deitar na grama sem roupa e aprender que você vai se coçar inteiro depois. O que realmente ajuda no crescimento não é a fralda que tem cor X pra identificar o xixi e cor Y pro coco. O que ajuda no crescimento é correr pelado no quintal, brincar com lona, detergente e água, andar no banco da frente do carro com a cabeça pra fora. O que ajuda no crescimento é a constante presença dos pais. Nenhum brinquedo, tablet ou desenho pode substituir isso.

Viver no mato é estar alguns anos na frente de qualquer outra pessoa. Talvez o acesso a internet seja pequeno, as vezes nulo, e por este motivo você provavelmente não vai estar por dentro do mais novo meme. Ué - Mas o acesso a vida, só o mato pode proporcionar. E quando eu falo sobre ter acesso a vida, eu falo sobre ter filhos sociáveis, saudáveis, que não tem medo de nada, nem de ninguém. Crianças determinadas a viver uma vida livre, repleta de cicatrizes e muitas experiências. - Esse é o maior sonho da minha vida.

Witmarsum tem sido nossa segunda casa, desde 2012. Quem sabe um dia, ela não se torne a primeira...

CANON EOS 5 - FUJI FILM X-TRA 400
KLIEWER + WITMARZOO | WITMARSUM