Não leve Crianças ao Museu

Provavelmente você já viu alguma vez na vida, uma criança dando um baita de um show por ai… Seja no mercado, ônibus, rua, shopping, museu, , restaurante, café… Lugares ‘públicos’ em geral. - Elas realmente gostam de causar nos lugares aonde tá cheio de gente olhando. Porque em casa não é assim não, ok? HAHAHAHA

E levar as crianças a qualquer lugar que não seja o parquinho e/ou o McDoanld’s mais próximo, é um desafio… Alguma coisa vai acontecer. - Não é frescura de pai não. Pode perguntar pra qualquer pai (de criança nova, ou criança grande/adulta), eles provavelmente não serão tão dramáticos como eu estou sendo, mas vão falar que realmente é difícil. Ué

Mas voltando ao raciocínio aqui… Todo vez que eu e a Priscila vamos sair com as crianças, nós pensamos umas 10 vezes pra ver se aquela role/lugar é legal para as crianças, se tem banheiro bom e de fácil acesso, com trocador de preferencia. Se nesse dito lugar possa ter um brinquedo e/ou parquinho. Se é seguro. Se tem que pagar, se criança paga, se criança é bem vinda, será que vai ter cadeirinha? O que pode ser quebrado lá dentro e se quebrado quanto terei que desembolsar? Se der tudo errado, as fotos desse role vão valer a pena? Sim. HAHAH - Chega a ser cansativo e no final das contas a gente acaba ficando em casa mesmo.

Mas de um tempo pra cá eu to é me cagando pra todo esse pensamento. Por mais que o segurança do museu fique atrás da gente o tempo todo e que a cada passa dos meus filhos eles venha me dizer que ali não pode tocar, não pode encostar, não pode sentar, não pode e não pode... E por mais que em qualquer café/restaurante que eu vá e seja recebido com olhares diferenciados, só porque meus filhos entram gritando e dizendo: pai, que isso? Pai, olha isso? Pai, porque isso? Mãe, que que isso? Mããããããe, olha isso. Paaaaaaiê, olha que legal. Mami, to com fomo. Mami, quero comer. Maaaaaamiii… Quero dizer a todos, que cansei de limitar a mim e a minha família, simplesmente pelo que os outros estão julgando do meu ser, da forma que eu crio/educo meus filhos e tudo mais. Ok?

Afinal, criança grita mesmo, criança fala mais de 200 porquês por dia. Criança é exploradora, ousada, alegre, peralta o tempo todo, até quando tá dormindo e ama mexer nas coisas. Se é por isso que vão me olhar feio, não é por isso que eu vou deixar de ir aonde eu quero e tenho desejo de ir. 

Nenhuma criança, nem muito menos qualquer pessoa pode limitar a nossa vida de acontecer da forma que a gente bem entender. E por esse entendimento ter acontecido em nossa vida, hoje não queremos mais saber como vai acontecer… A gente já sabe que vai ser loucura, vai dar errado, as crianças vão ficar de saco cheio de uma hora pra outra e vão gritar, chorar, espernear… Alguma coisa vai quebrar, cair e todo mundo vai olhar pra gente com cara de bunda fedida. Mas e dai? Como disso exteriormente. As fotos vão valer a pena. HAHAHHA - E mais que isso, a experiencia em si vai valer a pena, desde o que deu errado, os que eles descobriram, viram e garanto que aquilo tudo ficou guardando dentro da memória deles, como algo incrível que provavelmente será lembrando durante anos. (:

Visitar o MON, famoso museu do olho, vulgo Museu Oscar Niemeyer, foi incrível. Recebi 77x7 broncas dos seguranças, as crianças gritaram o tempo todo, escoltaram em varias obras e correrem pra tudo conte lado. Eu fiquei louco, a Priscila ficou louca e depois de tudo ter acontecido de forma caótica, a gente decidiu ir para um café, só pra terminar em grande estilo… Daquele jeito que você que é pai/mãe de ‘trovões’, sabe bem como é. HAHAHA - Foi nesse momento que eu desisti e fiz algo que nunca faço. Liguei o celular em Toy Story 3 e deixei eles ficarem quietos pelo menos durante o tempo que eu e a Priscila pudéssemos tomar um delicioso café e comer o melhor bolo de coco do mundo, o bolo de coco do Arte e Letra.

Ou seja, leve as crianças aonde você quiser. Se alguém não gostar... Problema delas. :) _|_

FARM DAY, FARM LIFE

Lembro bem dos 3 anos que morei na roça. Tinha acabo de completar 12 anos e a minha vida era andar de skate. Acordava pra andar de skate, ia pra escola e voltava pra casa pra andar de skate... Foi então, que meu pai decidiu largar mão da cidade grande e assim partimos todos juntos para uma cidadezinha com menos de 3k habitantes, sem nenhum asfalto. Estrada de chão por toda parte e paralelepípedos no meio da praça central. Quem já morou ou ainda mora no interior, sabe do que eu to falando. :)

Me recordo que fiquei furioso ao saber que a gente iria se mudar, confesso que eu queria mesmo era morrer, afinal eu era uma porra de uma criança/adolescente chato que passava o dia na rua andando de skate, com vários nadas pra fazer.

O tempo passou e hoje, posso garantir que foram os melhores 3 anos da minha infância/adolescência. Foi o tempo em que eu pude viver como um bicho do mato de verdade, largado na rua, quase sem hora pra voltar. Bicicleta pra tudo (era o meio de transporte de todos que moravam lá). Na mesma época, aprendi a dirigir uma Caravan 6cc que meu pai tinha. Dias fodas, que tenho plena certeza que são responsáveis por quem eu sou hoje. E aos meus pais, sou grato por aquela decisão maluco em um momento tão difícil que vivíamos. 

Assim como eu naquela época, todas as crianças do mundo, precisam estar em constante contato com a natureza, com o mato, cá roça. Pé no chão, no meio do banhado, pisando nos formigueiros todos e chorando pra Mami. Beber água dos rios, correr atrás das galinhas, dos cachorros e de quem estiver por perto. Esse contato não pode acontecer apenas nos finais de semana quando os pais vão para um parque da cidade, cheio de proibições e regulamentos, ou somente quando vão viajar. O contato tem que ser diário. Esse foi um dos grandes motivos pelo qual escolhemos a escola das crianças e também de morarmos em uma casa/sobradinho. Na escola das crianças, tem mais mato que sala de aula e elas amam. Aqui em casa, ninguém coloca tênis pra brincar na rua, nem quando vão andar de skate (meu pai sempre fica louco comigo, hehehe). E mesmo a gente já estar vivendo dessa forma, mais orgânica, eu ainda sinto falta de morar no meio do mato, de ter no mínimo uma casinha la no meio do nada, cheia de cachorros, galinhas, umas vacas pra ter leite quentinho pela manhã e uma Ranger 94 (4x4) para explorar tudo. As crianças não querem tablet, nem mesmo querem assistir aquele desenho chato da patrulha canina, nem tão pouco esses super brinquedos caros que ajudam no crescimento e desenvolvimento deles. A gente que coloca essas coisas na vida das crianças para que possamos ter aquele momento de sossego no dia. Falo isso com propriedade, pois já fiz isso várias vezes. :/

O que ajuda no desenvolvido é ter contato com seres humanos diferentes de você, correr descalço e esfolar o dedão no chão, deitar na grama sem roupa e aprender que você vai se coçar inteiro depois. O que realmente ajuda no crescimento não é a fralda que tem cor X pra identificar o xixi e cor Y pro coco. O que ajuda no crescimento é correr pelado no quintal, brincar com lona, detergente e água, andar no banco da frente do carro com a cabeça pra fora. O que ajuda no crescimento é a constante presença dos pais. Nenhum brinquedo, tablet ou desenho pode substituir isso.

Viver no mato é estar alguns anos na frente de qualquer outra pessoa. Talvez o acesso a internet seja pequeno, as vezes nulo, e por este motivo você provavelmente não vai estar por dentro do mais novo meme. Ué - Mas o acesso a vida, só o mato pode proporcionar. E quando eu falo sobre ter acesso a vida, eu falo sobre ter filhos sociáveis, saudáveis, que não tem medo de nada, nem de ninguém. Crianças determinadas a viver uma vida livre, repleta de cicatrizes e muitas experiências. - Esse é o maior sonho da minha vida.

Witmarsum tem sido nossa segunda casa, desde 2012. Quem sabe um dia, ela não se torne a primeira...

CANON EOS 5 - FUJI FILM X-TRA 400
KLIEWER + WITMARZOO | WITMARSUM

36 poses e um 400tx pra queimar

Amo a fotografia por muito motivos, mas existe um motivo impar para explicar meu amor por ela que é o prazo de validade de uma foto. Ele simplesmente não existe. As fotos não ficam velhas, não ficam ultrapassadas, não estragam e nunca vão para o lixo. As fotos tem uma 'data de fabricação', mas nunca um prazo de validade. E isso é fucking incrível. 

Esse filme é o meu preferido de toda a vida. Ter na câmera um 400tx é sempre incrível. O preto e branco que ele alcança é algo mágico. E este é meu segundo filme 400tx da vida, o primeiro eu consegui aproveitar umas 7 fotos no máximo (hahaha), todas as outras queimaram. Vou levar ele para digitalizar qualquer dia desses para fazer um 'post novo' aqui no blog. 

Inaugurei este filme logo após meu filho, Mark Franzen, nascer. Como 'tradição' aqui de casa... Todo novo bebê da família, a gente tira uns dias pra ficar na praia. Porque fazemos isso? Sei lá. Só sei que foi um momento muito gostoso e as fotos a seguir representam os primeiros dias de 'baboy' na família Franzen e uns rolês aleatórios com pessoas que tanto gostamos. Ah, tem também umas fotos bem lindas da Emma aqui em casa mesmo. - A gente demora tanto pra gastar as 36 poses de um filme, que acaba esquecendo as fotos incríveis que tinham la dentro. No próximo filme, eu prometo anotar foto por foto e fazer um post ainda mais detalhado da jornada com a fotografia analógica. 

Obs. O mais legal da fotografia com filme, são as fotos fora de foco. A gente é completamente apaixonado por elas. Aproveite!

MELHOR AMIGA

Já fiz vários ensaios sensuais. Mas quando o jogo vira e a mulher que você vai fotografar é sua esposa a parada fica tensa. Com certeza a responsa é muito maior, afinal é a sua esposa. 

Fotografar a Pri foi um desafio. Ela nunca gostou nem nunca quis um ensaio sensual. Insisti muitas vezes e ela sempre disse não. Porém, na gestação do Mark Franzen (que estará entre nós a partir do dia 11 de Julho de 2016), ela me fez um pedido: Quero fotos sensuais. ♥ 

De primeira fiquei empolgadão e queria fotografar na mesma hora que ela me disse, mas a barriga ainda tava bem pequena... Então o tempo foi passando e eu confesso que fui ficando com 'medo' de fotografa-la. Sei lá porque... Só sei que fui tentando me esquivar deste ensaio. 

Foi então que num certo dia eu olhei pra ela e falei: Vamos fotografar agora, se prepare.

Nunca busquei fotografias mirabolantes, nem tão pouco fotografias geniais...
Mas busquei e busco a cada segundo, fotografias sinceras , verdadeiras, fotografias que retratem histórias reais, pessoas reais e tudo como realmente é e deve ser. Porque tudo isso?! Fotografias sinceras e verdadeiras a gente não encontra nas redes sociais, a gente encontra nos álbuns de família. Sabe aquelas fotos que seus pais faziam de você quando você era menor? Então, essas são as fotografias sinceras que eu busco alcançar um dia. Busco uma fotografia simples, só isso. 

Fingi que na minha câmera existia um filme preto e branco e comecei a clicar. Não pedi nada, só deixei acontecer. ♥
O resultado? É esse ai...

Obrigado Pri. 
Obrigado pelo privilégio de estar ao seu lado a cada dia que passa, ter filhos lindos contigo e viver todos os dias como se fossem os últimos de nossas vidas. Obrigado pela loucura, pelo amor e pela liberdade de sermos juntos quem realmente nascermos pra ser. O mundo é grande, mas em breve será pequeno para nós. ♥

Fotografias sinceras falam sobre quem nós somos e não sobre quem podemos ser. 
O que podemos ser? Nem nós sabemos.
Viva lá Vida.